34 desvantagens (e vantagens) de viver em Portugal

Sejamos realistas: nenhum sítio é perfeito. Há muitos prós em viver em Portugal, mas também há, sem surpresa, um ou dois contras. Algumas dessas desvantagens incluem a burocracia, a baixa qualidade da habitação, a falta de uma cultura de serviço ao cliente, o desafio da integração na cultura portuguesa, os baixos salários e o aumento do custo dos imóveis.

A maioria dos artigos (e especialmente os vídeos do YouTube) centram-se mais nas vantagens do que nas desvantagens, mas é importante ter uma visão completa antes de se mudar para um sítio novo. A Portugalist recomenda vivamente que considere a possibilidade de se mudar para Portugal, mas não estaria a fazer o seu trabalho se não lhe desse expectativas realistas.

O problema começa com os vloggers do YouTube que promovem uma imagem falsa do que é viver em Portugal. É por isso que muitos são sugados pelo sonho de se tornarem expatriados em Portugal. Nada do que os vloggers promovem é uma realidade para a vida quotidiana. – Donna

É também importante salientar que esta é uma lista das desvantagens de Portugal, principalmente do ponto de vista de um estrangeiro (embora alguns portugueses concordem com algumas das coisas desta lista). Também não é uma lista de coisas que os portugueses devem mudar, e não é definitivamente uma lista de coisas que Portugal vai mudar – por muito sensatas que essas mudanças lhe possam parecer. Portugal é Portugal, e não deve vir para cá à espera de mudanças ou à espera de mudanças. Em vez disso, pondere os prós e os contras e depois, sendo honesto consigo próprio, decida se Portugal é o melhor para si.

Como um comentador refere, embora existam algumas desvantagens em viver em Portugal, não há espaço suficiente na Internet para enumerar todas as vantagens.

Resumindo, encontraste 23 coisas que não prestam neste sítio. Mas não há espaço suficiente na internet para listar todas as coisas boas. Pastelaria, comida, vinho, azeite, castanhas assadas à porta da estação de metro, estatísticas de criminalidade, uma das mais baixas taxas de violência com armas de fogo do mundo, política de drogas, praias, desportos aquáticos, o campo, o Fado, os mercados de peixe e vegetais, os queijos, os chouricos, as vinhas ao longo do rio Douro, as quantidades incríveis de fruta e marisco diferentes (os melhores da Europa), as pessoas, a arte, a história, a arquitetura, os cuidados de saúde, a liberdade real. – Danny

Da mesma forma, apesar de apontar alguns aspectos negativos, Aaron enumera muitos aspectos positivos:

Frutas e legumes fantásticos, matérias-primas fantásticas para bons cozinheiros (apenas parcialmente aproveitadas nas tradições culinárias), muitos pastéis de nata, bebidas baratas e de qualidade, carnes baratas e de qualidade, compaixão pelos outros seres humanos (muito importante) e excelentes cuidados médicos de emergência (o SNS é ótimo. As consultas podem demorar algum tempo a serem marcadas e, geralmente, Concelhos varia em termos da competência e simpatia do centro de saúde local e da atribuição de um médico de família, etc.)
É um ótimo lugar para criar os filhos e, em geral, muito seguro e orientado para a família, o que é provavelmente a causa de algum do tédio de que me queixei acima. Tenho a sensação de que a família e a vida na aldeia se sobrepõem a todas as decisões autónomas que as pessoas tomam e que estão sempre preocupadas com o julgamento social. – Aarão

Com isto em mente, aqui está uma lista de algumas das diferentes desvantagens da vida em Portugal.

Papelada, burocracia e ineficiência

Se tentar fazer alguma coisa em Portugal, quer seja abrir um negócio ou pedir uma autorização de planeamento, vai deparar-se com obstáculos. Muitas vezes, estão relacionados com a papelada. Por vezes, é apenas devido ao facto de as coisas andarem devagar.

Quando se trata de papelada, não é tanto o facto de haver muita papelada. Isso, por si só, já seria controlável. É isso:

  1. Sim, há muita papelada e muitos obstáculos a ultrapassar
  2. Cada departamento governamental parece ter uma opinião diferente sobre os documentos que são necessários
  3. Os departamentos têm falta de pessoal, pelo que conseguir uma marcação, se precisar de uma, pode muitas vezes demorar meses

É confuso e frustrante, e é também algo a que se vai ter de habituar se viver em Portugal.

Pode evitar muitas das dores de cabeça se recorrer a um advogado ou contabilista em vez de tentar resolver estes desafios sozinho. O desafio mantém-se e é provável que demore algum tempo a ser resolvido, mas pelo menos evita a maior parte das dores de cabeça. Ter um advogado a verificar um contrato de aluguer, por exemplo, pode parecer um custo desnecessário, mas pode poupar-lhe dinheiro e muitas dores de cabeça a longo prazo.

Em todos os países onde vivi, nunca precisei de um advogado para resolver as minhas questões habituais, como impostos, propriedades e bancos. Em Portugal, apesar de não ter dinheiro para o fazer, tive de os contratar. – KC

Ser rico ajuda definitivamente a atenuar o elevado nível de disfunções pessoais e estatais, o seu advogado “conhece” pessoas na câmara municipal, etc. Pagar uma “taxa extra” aqui e ali não tem importância, é o preço de uma segunda casa de campo num lugar ensolarado. E não têm de depender dos serviços, das infra-estruturas ou do governo português. Estar fisicamente em Portugal é, de facto, bastante agradável, só não é tão agradável estar dependente de qualquer coisa lá. – Martin

Demorei 1 ano e meio (se bem me lembro) a tratar da importação do meu carro com isenção de impostos.

Kurt

Para além de advogados e contabilistas, há também empresas que podem:

Uma coisa é dizer papelada, mas sef merece uma categoria própria para um lado negativo. Estamos à espera de uma marcação há mais de 8 meses e dizem-nos sempre que não há marcações disponíveis. Isto significa que a nossa identificação está desactualizada. É algo aceite em Portugal, uma vez que as pessoas sabem dos atrasos, mas significa que estamos nervosos para voar para qualquer lugar ou sair de Portugal, a menos que seja por terra. O mesmo acontece com a carta de condução. A carta de condução pode demorar mais de um ano a ser trocada. Dão-nos um papel enquanto esperamos, mas isso significa que ficamos sem carta de condução durante muito tempo. Não é adequado para visitar outro país. Se o único problema fosse a obtenção dos papéis, tudo estaria bem. O problema é a demora na marcação de consultas ou na devolução de documentos. – Rowena

A burocracia portuguesa e a falta de atendimento ao cliente é outro ponto negativo. É verdade que as pessoas não nos ajudam e temos de resolver tudo sozinhos. É muito frustrante. – Júlia

Eu disse que sabia que isto não era SF ou NYC. No entanto, há uma diferença entre um modo de vida lento e algumas coisas cruciais serem menos eficientes do que num país do terceiro mundo. Por exemplo, o IMT (para os estrangeiros: serviço governamental de emissão de cartas de condução) está basicamente avariado nesta altura. O processo de troca da carta de condução pode demorar até 2 anos. Ninguém atende o telefone ou o correio eletrónico. Dezenas de milhares de pessoas como eu estão presas com uma carta de condução temporária que só funciona em Portugal (por isso não se pode alugar carros em mais lado nenhum quando se viaja), ou com uma carta de condução estrangeira caducada (o meu caso agora). O mesmo se passa com o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras). – Touro1

A burocracia não é exclusiva de Portugal, e é algo com que se depara em muitos países europeus como Espanha, Itália e Alemanha, mas muitos argumentariam que Portugal leva a burocracia a novos níveis. No entanto, nem toda a gente concorda.

Burocracia, bem, como referi anteriormente, sou internacional. Penso que a Bélgica, a França e outros países não têm menos nem mais burocracia do que Portugal, e a corrupção é provavelmente a mesma. – Frank

Toda essa conversa sobre burocracia e corrupção em Portugal é muito exagerada! – Kurt

Pro: A bondade das pessoas

Esta é uma questão bastante subjectiva, uma vez que a experiência de cada um com os portugueses é diferente. No entanto, várias pessoas que comentaram no Portugalist observaram a amabilidade dos portugueses.

Uma vez, estava a sair de uma estação de metro debaixo de uma chuva torrencial, tentando usar um jornal para me abrigar, quando alguém apareceu ao meu lado e me ofereceu um guarda-chuva, insistindo para que eu o levasse. noutra ocasião, estava a tentar chamar um táxi com sacos de compras quando um senhor mais velho me disse que não iam parar ali e depois começou a levantar os meus sacos e a levar-me para um sítio onde eu podia apanhar um táxi e deu-me uma palmadinha nas costas quando lhe agradeci profusamente… Estas são as melhores pessoas que encontrei na Europa – despretensiosas, educadas, calorosas e prestáveis para com estranhos e, muitas vezes, demonstrando uma ternura que dificilmente se encontra noutro lugar. Há muitas coisas de que se pode gostar em Portugal, mas a melhor coisa de Portugal são os portugueses.

Glória

E ela não é a única.

Vivi no Centro de Portugal durante algum tempo e só recebi gentilezas, ovos, legumes e até uma bela caçarola deixada à minha porta.

Christine

Sou canadiana, mas filha de mãe portuguesa e pai japonês. Tenho muitas histórias das minhas visitas a Portugal, mas vou limitar-me a esta: os inabaláveis e amigáveis “bons dias” de estranhos e transeuntes. Esse calor e essa humanidade de que tantos sítios desta grande terra estão privados. É uma das muitas coisas que tornam Portugal especial.

AA

Contra: Problemas de alojamento

As casas portuguesas podem ser frias no inverno – níveis de frio de frigorífico. No entanto, varia consideravelmente de propriedade para propriedade. Algumas exigem apenas que se vista uma camisola, enquanto outras exigem um casaco, luvas e três ou quatro pares de meias.

A minha fatura de eletricidade no primeiro mês de inverno em Portugal foi 3 vezes superior à que paguei no inverno suíço, apesar de já ter tentado aceitar/conciliar-me com uma temperatura interior mais baixa! Foi uma surpresa desagradável. Já encontrei formas de me adaptar e isso não me impede de desfrutar da vida em Portugal. – WL

A parte mais dececionante para mim é que estou constantemente a congelar nos apartamentos deles devido à falta de aquecedor e estou a gastar uma fortuna a pagar para me manter um pouco quente. É verdade que temos de ficar completamente vestidos em casa e está a tornar-se insuportável aquelas casas de construção barata e gastadoras de energia. – Júlia

Duas propriedades idênticas, uma ao lado da outra, podem ser diferentes devido à capacidade de uma delas apanhar sol durante o dia. Algumas propriedades também têm aquecimento central ou outro sistema de aquecimento, enquanto outras têm melhores classificações energéticas. Encontrar a lotaria certa é, em parte, saber o que procurar e, em parte, lotaria.

No entanto, o facto de ter comprado uma casa fria não significa que vai ficar com frio para sempre. Pode melhorar o isolamento ou instalar algo como aquecimento central a gás ou um aquecedor a pellets eficaz. Tudo isto custa dinheiro, obviamente, mas vale quase de certeza a pena.

O frio e o ruído, ambos devidos, pelo menos em parte, ao mau isolamento, são os principais problemas das casas portuguesas, mas pelo menos um comentador encontrou também um problema com os canos das casas mais antigas.

Tudo isto é bom, mas falta-lhe a maior desvantagem de todas… os autoclismos das casas de banho. Alguns têm sido inacreditavelmente fracos! Se vou encher a cara de bacalhau e natas, quero uma sanita que aguente um pouco, e não algo que tenha de puxar o autoclismo vinte vezes para funcionar!!! Será que também há burocracia nos canos???! – João

Esta situação não é exclusiva de Portugal e é bastante comum no sul da Europa. As casas aqui são mais concebidas para o verão do que para o inverno. Felizmente, há uma ou duas coisas que se podem fazer para nos mantermos quentes dentro de casa.

Pro: Facilidade em obter a cidadania portuguesa

Depois de viver em Portugal durante 5 anos, pode requerer a cidadania portuguesa. Isto é muito mais rápido do que em muitos outros países europeus. É necessário viver 10 anos em Espanha, por exemplo, para poder requerer a cidadania espanhola.

E, ao contrário de muitos outros países europeus, só precisa de demonstrar um nível A2 de português. Em comparação, a Alemanha e a Itália exigem um nível B1.

O português europeu nem sempre é o mais fácil, sobretudo devido à pronúncia, mas, felizmente, existem muitos cursos e recursos para aprender português da UE.

Contra: Integração

Em Portugal, os portugueses e os não portugueses andam normalmente em círculos diferentes. Mesmo as pessoas que vivem em Portugal há anos são capazes de contar pelos dedos de uma mão o número de amigos portugueses próximos que têm.

Fazer amigos – para mim é fácil, porque o meu trabalho implica conhecer pessoas. Mas se o seu trabalho é sozinho e não envolve outras pessoas, pode ser difícil e solitário. As pessoas ficam com as suas famílias muito unidas e isso pode tornar-nos tristes e solitários se tivermos esse tipo de constituição.

...os portugueses são, para mim, geralmente prestáveis, calorosos e simpáticos. Mas não espere que eles apareçam ou lhe telefonem depois de sentir que encontrou um bom amigo. A maior parte dos que conheci parecem estranhamente fantasmas, desaparecem, desvanecem-se e depois voltam à superfície e ficamos novamente muito próximos. Ok, isto pode não ser útil, mas afecta a qualidade de vida

Mas são precisos dois para dançar o tango. Embora os portugueses possam ser um pouco fechados, por vezes até entre si, muito poucos expatriados fazem o esforço necessário para se integrarem – pelo menos após alguns meses de tentativas. A integração é mais uma maratona do que uma corrida de velocidade, e exige que se aprenda português a um nível muito bom. E é muito mais difícil se não trabalhar num escritório, frequentar a universidade ou fizer qualquer outra coisa que o coloque em contacto próximo com pessoas durante muitas horas por semana. No entanto, o esforço vale a pena. Embora possa demorar muito tempo a fazer amigos portugueses, especialmente quando comparado com outros países, quando se tem um amigo português, tem-se um amigo para a vida.

Se fizeres amizade com um português, ele será teu amigo para sempre e estará lá quando precisares. Em 2016 voltei para visitar a minha mulher e os meus dois filhos depois de ter vivido nos EUA durante quase 20 anos. O meu amigo de infância, que não via há mais de 25 anos, convidou-me imediatamente a mim e a toda a minha família para ficar com ele e a namorada no seu apartamento em Lisboa. E este não foi o único convite feito, muitos outros amigos do meu passado contactaram-nos para ficarmos com eles. – Danny

Gosto muito de viver em Portugal, para mim é um dos melhores países do mundo, acho as pessoas simpáticas e muito fáceis de lidar, fazer amigos é difícil porque os portugueses são muito orientados para a família, mas não vejo isso como uma coisa má. – Frank

…há anos e anos que não saio com ninguém e não sou feio, nem pobre, nem preguiçoso, etc. Sou estrangeiro. Sou estrangeiro. Serei sempre estrangeiro. Nunca entrarei no mundo deles, e isso é basicamente claro para mim, que por detrás de toda a retórica liberal, é bem-vindo ser um estrangeiro que gasta dinheiro aqui, mas que provavelmente é melhor ficar no seu próprio enclave. – Aarão

Como a integração pode ser tão difícil, isso significa que terá de fazer amizades sobretudo com outros expatriados. Embora a maioria sejam pessoas maravilhosas e muitos se tornem amigos para toda a vida, há definitivamente alguns que tentará evitar.

Vim para Portugal para ser feliz e estou feliz por cá estar. Sim, há algumas coisas que gostaria que fossem diferentes, mas no geral é uma óptima qualidade de vida. Mas infelizmente não falo português, por isso estou rodeado por estas pessoas [outros expatriados]! – Carl

Mas só porque é difícil fazer amigos, isso não significa que os portugueses não sejam simpáticos.

Antes de mais, as pessoas têm sido muito acolhedoras. Desde a imigração até à entrega de documentos, apenas os funcionários da imigração dos EUA foram inapropriados e arrogantes. Aqui, somos tratados como seres humanos e não como o rótulo que a sociedade nos atribui. Noto que os portugueses são simpáticos, mas são reservados. Ainda não me consegui integrar totalmente com eles, embora esteja a aprender a língua e consiga dizer umas coisas aqui e ali. – EM

O desafio de fazer amigos rapidamente não é exclusivo de Portugal. As pessoas que se mudaram para outros países do Sul da Europa, como Espanha e Itália, para a Escandinávia ou para a Europa de Leste, relatam frequentemente as mesmas dificuldades de integração.

Prós: Grande comunidade de expatriados

A integração pode ser difícil por vezes, mas pelo menos existe uma comunidade de expatriados grande e acolhedora.

A existência de uma grande comunidade de expatriados tem as suas desvantagens – uma vez que significa que as pessoas tendem a integrar-se mais nas comunidades de expatriados do que nas comunidades locais – mas é sem dúvida uma vantagem quando se muda pela primeira vez. Poderá imediatamente conhecer outras pessoas, pessoas que estão no mesmo barco que você, e será fácil obter respostas a perguntas que tenha sobre como se estabelecer em Portugal.

Contra: A língua

O português não é nem de perto nem de longe tão difícil como o chinês, o árabe, ou talvez até o alemão, mas muitos consideram-no mais difícil do que outras línguas românticas e menos apelativo. Dito isto, não é preciso muito tempo para aprender português suficiente para se desenrascar na vida quotidiana, e mesmo em situações burocráticas mais difíceis. No entanto, é preciso muito tempo para aprender português suficiente para se integrar verdadeiramente – mas isso é verdade para todas as línguas.

Aprender português europeu está a tornar-se um pouco mais fácil graças a todas as novas aplicações, sítios Web e canais do YouTube que o ensinam (no passado, havia apenas livros didácticos secos e aborrecidos). Há muitos cursos excelentes, sobretudo para o nível de iniciação ao português, que lhe ensinarão o essencial e o ajudarão a passar nos exames, caso decida candidatar-se à cidadania ou à residência permanente.

Não quero ser contrário, mas tenho de dizer que não concordo consigo quanto ao facto de o português ser uma língua difícil, ou de ser mais difícil do que outras línguas românicas. Eu diria que o português é a língua românica mais fácil de adquirir para um falante de inglês; a mais difícil é o romeno. – Fraser

E as recompensas estão lá para aqueles que se esforçam.

A cultura é também um dos melhores pontos de Portugal, desde as artes plásticas à poesia, prosa, música, espectáculos, teatro, mas, mais uma vez, é preciso estar inserido na cultura para desfrutar delas. – Emanuel Sousa

Isto é obviamente exclusivo de Portugal, na medida em que o português é visto como mais difícil do que algumas outras línguas europeias, nomeadamente o espanhol. Dito isto, provavelmente não é mais difícil do que o alemão.

Pro: O inglês é muito falado

O inglês é muito falado em Portugal, particularmente no Algarve, Lisboa, Porto e outras cidades portuguesas. Noutras partes de Portugal, o inglês é menos falado, mas não demorará muito a encontrar alguém que fale inglês.

Embora a sua intenção possa ser aprender português, e aprendê-lo a um nível fluente, saber que é provável que outras pessoas falem inglês é muito tranquilizador – particularmente quando está a falar com um médico, por exemplo.

No entanto, se quiser integrar-se nem que seja um pouco, deve definitivamente fazer um esforço para aprender português.

Contra: Algumas coisas são caras

Muitas pessoas pensam que só porque a comida e o vinho são baratos em Portugal, tudo o resto o é. Infelizmente, isso não é verdade. Infelizmente, isso não é verdade.

A eletricidade e a gasolina são dois bons exemplos de coisas que são realmente caras em Portugal. Por quilowatt, Portugal é um dos países mais caros da Europa. É também um dos países mais caros em termos de combustível. As rendas, sobretudo em locais como Lisboa, podem ser tão caras como numa grande cidade do Norte da Europa. Depois, há os carros, os móveis, os aparelhos electrónicos, os livros, os alimentos de marca internacional, os cosméticos e os produtos de higiene pessoal, que são normalmente mais caros do que noutros países.

Pode ser frustrante pagar o dobro ou o triplo do que se está habituado a pagar por algo, mas isso é muitas vezes compensado pelos preços mais baixos de outras coisas (comer fora, por exemplo) e pelo facto de se poder viver em Portugal.

Prós: A comida

Em qualquer mercado português, encontrará uma grande variedade de peixe e marisco e excelentes frutas e legumes. A maioria dos grandes supermercados também tem uma grande secção de peixe. Em termos de preço, a fruta e os legumes são muito mais baratos do que nos EUA, e a qualidade é melhor. Para os padrões europeus, não é particularmente mais barata, mas a qualidade é melhor do que em muitos países do Norte da Europa.

Comer fora nos restaurantes tradicionais portugueses é também extremamente acessível, sobretudo ao almoço. Aqui, entre 10 e 15 euros, pode obter uma refeição de três pratos, acompanhada de café e vinho. Os restaurantes internacionais são mais caros e muitas vezes inexistentes nas zonas mais rurais de Portugal, mas com acesso a ingredientes de boa qualidade e a preços acessíveis, poderá confecionar alguns pratos fantásticos em casa.

Contra: Impostos normais

Portugal não tem os impostos mais elevados da Europa, mas também não tem os impostos mais baixos. Os impostos portugueses, especialmente quando combinados com a segurança social, são elevados – pelo menos na sua forma mais simples. Podem também ser um pouco complicados, e a necessidade de um contabilista acresce um custo que talvez não tivesse se vivesse noutro local.

Pagamos impostos como a Alemanha mas temos um rendimento como a Lituânia ou assim. – João Pedro

O governo português tem, de facto, vários regimes e esquemas fiscais que se destinam a simplificar o pagamento de impostos e a tornar Portugal mais apelativo para os estrangeiros. O mais famoso foi o regime fiscal NHR, que foi concebido para reduzir o montante de impostos que se paga em Portugal durante os primeiros 10 anos e, em alguns casos, permite que se seja tributado noutro local. Este regime foi agora substituído pelo que muitas pessoas estão a chamar o novo regime NHR, ou NHR 2.0.

Contra: Sentir-se parte do problema

Parece que em todo o mundo há uma crise de habitação e de custo de vida, por isso é fácil sentir-se um pouco culpado se tiver dinheiro para comprar ou se não for tão afetado como os outros pelo aumento do custo de vida.

Em Portugal, isso é particularmente verdade. Os preços de compra e aluguer de imóveis, em particular, têm aumentado, o que se deve em parte ao número de estrangeiros mais abastados que chegam a Portugal.

Não é que as pessoas que se mudam para cá estejam a fazer algo de malicioso, ou sem se preocuparem com os problemas que podem criar: é simplesmente uma consequência da política de imigração muito aberta de Portugal. E é uma política de imigração aberta porque Portugal quer que os estrangeiros venham e beneficia do dinheiro que é trazido para o país.

Algumas pessoas dirão que o problema é realmente o governo não construir mais habitação a preços acessíveis ou os baixos salários, apesar de muitas empresas terem lucros muito saudáveis. Isso pode ser verdade, mas não deixa de ser fácil sentirmo-nos parte do problema. Por outro lado, há muitas outras partes do mundo, incluindo o local de onde nos mudámos, onde podemos sentir exatamente a mesma coisa.

Pro: Cuidados de saúde acessíveis

Especialmente para os americanos e para os que vivem fora da Europa, o sistema de saúde de Portugal, financiado pelos impostos, é um grande atrativo. Não precisa de se preocupar em ter o seguro certo quando vai ao hospital: o acesso aos cuidados de saúde públicos é considerado um direito.

Para os europeus, o sistema de saúde português não é uma novidade e, na realidade, sofre de muitos dos mesmos problemas que outros países europeus: os cuidados de saúde de emergência são bons, mas as listas de espera para tratamentos não urgentes podem ser longas, por vezes mais de um ou dois anos.

No entanto, Portugal é superior a muitos outros países europeus no que se refere ao custo dos cuidados de saúde privados. Os seguros de saúde e o custo de pagar do próprio bolso são muito mais baixos do que em muitos outros países europeus, e muitos expatriados podem recorrer ao sistema privado para a maioria das suas necessidades, o que lhes permite muitas vezes ter acesso a cuidados de saúde de melhor qualidade do que noutros locais.

Contra: Ruído

Para além do frio, outro problema causado pela falta de isolamento é a forma como o ruído se propaga. Este é mais um problema nos apartamentos do que nas casas, mas mesmo as casas não estão imunes a problemas de ruído – o som dos cães a ladrar, que por vezes se prolonga pela noite dentro, é um problema nas zonas rurais.

O ladrar do cão é absolutamente insuportável, tenho uma mulher a viver a 100m de mim, noutra casa e ela deixa o sacaninha na varanda o dia todo, hoje às 10 da noite a besta ainda está a ladrar, mas aparentemente toda a gente dos meus tão apreciados vizinhos portugueses não tem problemas com isto! – Tom Baum

De um modo geral, no entanto, a maior parte dos problemas de ruído são com apartamentos. A maior parte do ruído parece vir do apartamento de cima, mas dependendo da forma como a propriedade está construída, pode vir também do apartamento de baixo ou do lado. Tal como acontece com o frio, os problemas de ruído podem variar consideravelmente de propriedade para propriedade, dependendo da altura em que foi construída, do andar em que se encontra o apartamento e de quem são os vizinhos. Nalguns apartamentos, não se ouve nada. Noutros, consegue-se ouvir as conversas dos vizinhos quase palavra por palavra.

Com o ladrar do cão posso lidar – são as crianças que gritam e correm, encorajadas pelos pais, como se os gritos devessem ser partilhados por todos. – Confuso

Tal como acontece com o frio, estes problemas são de certa forma solucionáveis e podem ser totalmente evitados se gastar dinheiro suficiente.

Os problemas de ruído não são exclusivos de Portugal e são comuns em alguns países vizinhos como Espanha.

Pro: Praias convidativas

As praias portuguesas, particularmente as do Algarve, foram eleitas como algumas das melhores do mundo. Por isso, se o seu sonho é passar o tempo a apanhar sol e a ouvir as ondas, este é definitivamente o país para si.

Para além de excelentes praias, Portugal tem também vários pólos de surf como Sagres, Ericeira, Nazaré e Costa da Caparica.

Se está a planear viver no interior, também não ficará desiludido. Quer seja no Douro, no Gerês, nos Açores, na Madeira ou na Serra da Arrábida, Portugal tem imensas áreas de beleza natural para desfrutar.

Contra: Tratamento dos animais

Embora esteja a mudar rapidamente, o tratamento dos animais pode ser um problema em Portugal. Em algumas zonas rurais e suburbanas de Portugal, não é invulgar os cães serem deixados acorrentados ou em varandas durante todo o dia (o que é parte da razão pela qual existem problemas de ruído).

Os cães e o tratamento dos animais em geral são um grande problema em Portugal. – André

Isto não quer dizer que seja um problema em todo o lado em Portugal. Apesar de se verem animais maltratados de vez em quando, também se vêem animais de estimação que são tratados com padrões extremamente elevados.

Prós: Custo de vida mais baixo

Este é um pouco mais complicado, mas na maior parte das vezes, Portugal tem um custo de vidamais baixo. Claro que depende de onde se vem e do que se está a comprar. Se se mudar de Nova Iorque ou São Francisco para Portugal, notará um custo de vida consideravelmente mais baixo. No entanto, se vier do Norte de Inglaterra ou de Espanha, não verá uma grande diferença e poderá pensar que Portugal é mais caro.

Portugal é barato para algumas coisas e caro para outras. É barato para comer fora, por exemplo, onde uma refeição de um menu de três pratos ao almoço pode custar menos de 10 euros. No entanto, outras coisas, como carros, serviços públicos e combustível, são normalmente mais caras.

Mais uma vez, depende do país de onde se vem. Os americanos costumam achar os produtos de mercearia e os planos de telemóvel consideravelmente mais baratos do que nos Estados Unidos, enquanto muitos europeus não notam a diferença ou acham-nos mais caros.

É claro que não se trata apenas do preço, mas do estilo de vida que se obtém por esse preço. Há poucos sítios onde se possa viver perto da praia, desfrutar de um clima fantástico e comer fora regularmente com o custo de vida que se encontra em Portugal.

Como americano a viver em Portugal, posso dizer-vos que o custo de vida é muito melhor/mais barato aqui do que nos EUA. E a qualidade de vida é muito melhor. E as pessoas são mais amigáveis, a cultura é superior, etc. Não consegui sair dos EUA suficientemente depressa e estou muito mais feliz (e saudável) em Portugal.

Dan

Contra: Cocó de cão

Quer seja o céu azul ou as paredes de azulejos, há muitas coisas bonitas para ver em Portugal. No entanto, não olhe para cima durante muito tempo. Se o fizer, pode pisar em algo que não queria. Da mesma forma, é sempre uma boa ideia inspecionar a relva antes de se sentar para um piquenique.

Já vi mais cocó de cão nos passeios em Portugal do que nos EUA, mas na nossa cidade alentejana há dispensadores com sacos de cocó gratuitos. – Sra. G

Há duas coisas que me deixam completamente louca no meu país: cocó de cão/lixo por todo o lado e carros estacionados nas faixas de rodagem e nos passeios. – Andrea E

O cocó de cão é uma daquelas pequenas desvantagens a que nos habituamos com o tempo, e pode nem ser tão percetível se tivermos vivido noutros países europeus onde também é um problema.

Prós: Um sentimento de segurança

Há algum debate quanto à exatidão da estatística frequentemente citada de que Portugal é o terceiro país mais seguro do mundo, mas a realidade é que Portugal é incrivelmente seguro – especialmente quando comparado com os EUA, a América Latina e partes do Reino Unido. É um país onde as crianças, os idosos e as mulheres se sentem confortáveis a andar sozinhas, mesmo a altas horas da noite.

De facto, a cultura portuguesa é incrivelmente familiar: as crianças são adoradas e os idosos são tratados com respeito.

Contra: Corrupção

Pergunte a um português qual é a maior desvantagem da vida em Portugal e quase todos dirão que é a corrupção. De acordo com o Índice de Perceção da Corrupção de 2021 da Transparência Internacional, Portugal ficou em 32º lugar entre 198 países no que respeita à corrupção. A corrupção pode permear todas as áreas da vida, desde o conselho local até aos mais altos escalões do governo. São vistos como uma parte da vida ou como um imposto para contornar a burocracia.

Embora a corrupção não afecte a vida da maioria das pessoas no dia a dia – não é preciso subornar a polícia para chegar a casa – ela afecta o facto de o dinheiro ser devidamente investido no país e isso pode fazer a diferença.

Pro: Vistos de residência possíveis

Se não tem um “passaporte da UE” e precisa de um visto para se mudar para um país europeu, Portugal pode ser muito apelativo por várias razões. Em primeiro lugar, os vistos são considerados mais acessíveis do que noutros países europeus: o D7, por exemplo, exige que tenha um rendimento regular que seja, pelo menos, superior a 705 euros por mês – um montante exequível para muitas pessoas, enquanto o D2, ou visto de empreendedorismo, não especifica um montante mínimo de investimento.

Para aqueles que têm dinheiro para gastar, o visto dourado pode ser particularmente atrativo porque só exige que passe uma média de 7 dias por ano em Portugal para cumprir os requisitos de residência.

Para muitas pessoas, estes vistos acessíveis fazem de Portugal um país muito atrativo, uma vez que Portugal oferece uma rota fácil para a Europa.

Contra: Confusão política

A política portuguesa pode ser confusa.

Em 2023, foi anunciado aleatoriamente que o visto dourado estava a terminar. Depois, o governo voltou atrás. Em seguida, foi anunciado que a maior parte do Golden Visa iria ficar, mas que algumas opções iriam desaparecer.

Alguns meses mais tarde, o governo anunciou o fim do NHR. Depois, o Presidente demitiu-se após ter sido apanhado num escândalo de corrupção.

Embora longe da instabilidade política de um país do terceiro mundo, a forma como o governo português funciona pode parecer muito confusa e não planeada para quem está de fora. Isto é especialmente verdade quando se está a tentar mudar para cá e as balizas estão sempre a mudar.

É certamente um golpe, mas vale a pena ter em conta que a política no país de onde se está a mudar pode também não ser a mais estável. Atualmente, o antigo presidente dos EUA passa muito tempo a defender-se em tribunal, enquanto continua a pensar em candidatar-se à presidência. Desde a votação do Brexit no Reino Unido, este país passou por vários primeiros-ministros – um deles durou apenas 49 dias.

Contra: Racismo casual

Não é um problema para a maioria dos expatriados, mas muitas pessoas – particularmente do Brasil e de outras antigas colónias portuguesas – relatam ter sofrido preconceitos ou terem sido tratadas de forma diferente em Portugal. Provavelmente, não é algo que se veja no dia a dia, mas se viver aqui o tempo suficiente e se fizer amizade com pessoas de cor de África ou da América do Sul, poderá ouvir algumas histórias.

Como americano branco, não me parece que haja racismo aqui, pois não vejo bandeiras confederadas nem outros exemplos flagrantes, mas sei por brasileiros que há racismo aqui. Também já ouvi comentários de portugueses sobre brasileiros que podem ser considerados racistas. – Brian

Mas como um comentador refere, é uma questão bastante complexa.

O melhor de Portugal é o seu povo. sim, enganam-nos se tivermos de lidar com eles profissionalmente e não tivermos cuidado; sim, não chegam a horas; sim, sinto quase sempre racismo, especialmente quando lido com pessoas mais velhas ou em estabelecimentos que servem pessoas ricas e a forma como tratam os africanos pode ser de cair o queixo. mas são sempre implacavelmente humanos. sei que posso sempre encontrar a humanidade neles; são as pessoas mais despretensiosas que já conheci…

…Bem no centro de Lisboa há uma praça que foi colonizada por africanos – não consigo imaginar nenhum outro país da Europa a permitir isso (Portugal é cosmopolita há centenas de anos). Já vivi e viajei em muitas partes da Europa, mas nunca vi africanos tão à vontade como em Lisboa. Vi mulheres africanas com os seus bebés às costas e uma vez uma mulher africana com uma carga na cabeça e a caminhar. – Glória

O racismo casual é um problema em todo o lado, infelizmente, incluindo em muitos países europeus. Embora Portugal esteja muito melhor do que muitos outros países ocidentais, incluindo os EUA, isso não desculpa o facto de ainda ocorrer.

Prós e contras: O ritmo lento da vida

O ritmo lento da vida é uma das principais razões pelas quais as pessoas se mudam para Portugal, mas esse ritmo lento da vida também pode ser uma desvantagem. Quando há algo que precisa de ser feito, de repente damos por nós a desejar que o ritmo lento da vida não fosse uma coisa de Portugal.

Vivemos no Algarve rural e a tampa da nossa sanita partiu-se há 3 semanas. Em 3 semanas, o nosso senhorio foi 5 vezes à loja de canalização local. Estava sempre fechada sem razão aparente, ou o gerente estava na pausa para almoço, e finalmente… não tinham a peça. Assim, o nosso senhorio teve de conduzir 1 hora até uma loja maior para obter a peça, que pode ou não funcionar… veremos em breve. Talvez esta semana, após 3 semanas, a tampa da sanita esteja arranjada. Talvez demore mais algumas semanas. Entretanto, arranjei-a com fita-cola… Vivo numa vivenda por quase $2000/mês, com serviços públicos, com a tampa da sanita colada com fita-cola. Este é apenas um exemplo ridículo de como tudo é ineficiente e lento aqui. O nosso senhorio é ótimo, abençoado seja ele por perder tanto tempo com isto. Mas quando um assento de sanita demora um mês a ser arranjado, dá-nos uma ideia da dificuldade que tudo o resto tem….

… Não acho queos habitantes locais sejam necessariamente preguiçosos. É sobretudo o facto de gostarem das coisas devagar. Não vêem qual é o problema de não atenderem o telefone ou de fecharem a loja inesperadamente. Acham que isso não vai incomodar ninguém, porque ninguém vive aqui para fazer as coisas. Vive-se aqui quando se tem tempo. Acabei por compreender: o erro não é deles por serem lentos, é meu por querer andar depressa num sítio lento. Isto não é Nova Iorque ou São Francisco, onde toda a gente está a tentar ganhar um milhão de dólares e toda a gente quer ajudá-lo a ir de A para B o mais depressa possível. Este não é um sítio para a ambição. Este é um lugar para a dolce vita, a reforma e a vida familiar humilde. – Touro1

Mesmo em tarefas simples como ir ao supermercado, vai dar por si em filas muito mais longas do que em países que não têm um ritmo de vida lento. Tudo depende do que valoriza mais: o ritmo de vida lento (para quando o quiser) ou a eficiência constante.

Esta situação não é exclusiva de Portugal, mas comum à maioria dos países do Sul da Europa ou do Mediterrâneo.

Contra: A mentalidade do “copo meio vazio

A mentalidade portuguesa pode ser frustrante para muitas pessoas, particularmente para empreendedores e pessoas com espírito de iniciativa que vêem oportunidades em cada esquina. Em Portugal, as pessoas olham frequentemente para o mundo de forma menos otimista. Isto está a mudar um pouco, e as gerações mais jovens e as que viveram no estrangeiro tendem a olhar para o mundo de uma forma mais otimista, mas uma atitude de “não posso fazer” é algo com que se depara de vez em quando.

Os portugueses são pensadores profundos e são compassivos até ao âmago. Mas se tem tendência para ser ansioso e depressivo, provavelmente não será um bom lugar, pois estará rodeado de melancolia e tristeza. Não é óbvio, mas depois de anos a viver aqui, isso afecta-nos. É a razão pela qual as pessoas são desleixadas. Muita ansiedade e depressão. – KC

Falta muitas vezes sentido de humor, mas há muita sinceridade (muitas vezes combinada com infelicidade) – Gaius

Não concordo com a atitude de “não fazer” atribuída a Portugal, pois esta atitude de “não fazer” é muito europeia. – Frank

Esta atitude não é completamente exclusiva de Portugal, mas parece ser mais comum em Portugal do que nos países europeus vizinhos.

Contras: Serviço ao cliente

Em Portugal, por vezes, pode parecer que o cliente nunca tem razão. A resolução de um problema é muitas vezes uma batalha de vontades, e os problemas podem levar horas e horas do seu tempo para serem resolvidos. Existe oLivro de Reclamações para quando não se consegue obter uma resolução, mas mesmo este não é uma ameaça para algumas empresas (nomeadamente as empresas de serviços públicos e de comunicações). Depois, há a AIMA (o departamento de imigração, anteriormente conhecido como SEF), as Finanças (departamento fiscal) e outros departamentos governamentais, que não são particularmente populares em Portugal.

Mais uma vez, isto é algo que está a melhorar, mas é algo com que se vai deparar de vez em quando.

Quando se queixa, a maior parte das vezes há uma longa explicação de que a culpa não é deles, mas sim de todos os outros, de que são sempre as vítimas, ou até de que o insultam. – Ava

Em Portugal, a maior parte dos serviços e empresas fazem um esforço para atrair o seu dinheiro, mas depois de pagar pode esquecer o assunto. Depois de pagar, fica à mercê deles e não espere uma qualidade elevada do serviço ou dos bens. Esqueça o reembolso, a não ser que se trate de uma loja de artigos de luxo. Eles responderão aos e-mails quando lhes for conveniente e a maioria dos e-mails não será respondida se isso lhes causar incómodo. – Gargantois Pantagrüell

A maior desvantagem é a péssima qualidade dos advogados, contabilistas e agentes imobiliários. Muitos deles andam a meter-se nos bolsos uns dos outros e, por vezes, parece o Oeste selvagem. – Jacob

As queixas oficiais no “Livro das Reclamações” são inúteis. Os prestadores de serviços têm sempre razão e os seus operadores raramente pedem desculpa. – António

Penso que muitos norte-americanos pensam que “tudo o que é europeu” é romântico e que o ritmo é mais lento, pelo que se pode relaxar mais. No entanto, quando chegam ao continente europeu, começam imediatamente a comparar essa cultura com a dos EUA e depois queixam-se porque “não há serviço ao cliente, a burocracia, os condutores malucos, etc.”. – O velho guarda florestal

Isto não é exclusivo de Portugal. O serviço de apoio ao cliente nem sempre é uma grande prioridade na Europa e os departamentos governamentais, especialmente os de imigração, parecem ser particularmente hostis na maior parte dos países do mundo.

Contras: Cultura no local de trabalho

Sexismo, microgestão, não poder mostrar iniciativa – fale com um português sobre as desvantagens de viver em Portugal e uma das principais coisas que mencionará será a cultura do local de trabalho. Não é em todas as empresas, obviamente, mas é algo que é mencionado com frequência.

Tudo o que está escrito aqui é verdade, como português, a vida é difícil para a pessoa média aqui, não há sistema de mérito no local de trabalho, é tudo sobre quem se conhece, os salários são os mais baixos da Europa Ocidental e a sociedade civil está adormecida. – Rapaz português

Felizmente, esta é uma desvantagem que muitos estrangeiros que se mudam para Portugal conseguem evitar, uma vez que muitos trazem os seus próprios empregos para cá, trabalham para uma empresa estrangeira ou mudam-se para Portugal para se reformarem.

Contras: Oportunidades de emprego

Portugal atrai tradicionalmente expatriados muito mais velhos, sobretudo reformados. Há uma razão para isso, que é o facto de as pessoas normalmente não virem para Portugal para trabalhar: os salários são baixos para os padrões europeus e há um número limitado de empregos aqui.

Não creio que Portugal seja o país certo para quem procura emprego, os salários são muito baixos, é difícil encontrar bons empregos; mas para reformados e pessoas com rendimentos estrangeiros, é uma óptima possibilidade! – David

A boa notícia é que, apesar de os salários ainda estarem longe de alcançar os de outros países da Europa Ocidental, há cada vez mais oportunidades de emprego em Portugal. Muitas pessoas também trazem o seu trabalho consigo, seja criando uma empresa aqui ou trabalhando remotamente para clientes fora de Portugal.

Esta situação não é totalmente exclusiva de Portugal: Em toda a Europa do Sul, as oportunidades de emprego são menos numerosas e os salários mais baixos quando comparados com os do Norte da Europa. Dito isto, Portugal tem, de facto, alguns dos salários mais baixos da Europa Ocidental.

Contra: É tudo uma questão de “quem conheces”

Para progredir em muitos sectores de atividade em Portugal, tudo depende de quem se conhece. Esta máxima é verdadeira em muitos países, claro, mas é especialmente verdadeira em Portugal.

Em muitos países de língua inglesa, como o Reino Unido e os EUA, quem se conhece abre portas, mas não torna impossível entrar em certos sectores. Em Portugal, o facto de não conhecer as pessoas certas pode impossibilitar a realização de negócios em muitos sectores em que se poderia entrar noutros países.

Este facto não é exclusivo de Portugal e é bastante comum na maior parte da Europa.

Contra: A condução

Conduzem como loucos e colocam-se a si próprios e aos outros em situações perigosas só para passarem à nossa frente e ficarem presos atrás do mesmo camião que já conduzíamos. – Martin

Todas as desvantagens são verdadeiras, mas tendo vivido em Itália e Espanha, não são exclusivas de Portugal. Se quer burocracia e condução louca, tente Itália lol. – Mike

Quer se trate de pessoas a piscar os faróis porque estão desesperadas por ultrapassar, de conduzir sob o efeito do álcool ou de seguir atrás de si, conduzir em Portugal pode ser um desafio e, por vezes, assustador. Os indicadores são raramente utilizados, o estacionamento por toque é comum nas cidades e, nas zonas rurais de Portugal, as pessoas estacionam frequentemente na diagonal em dois ou três lugares. É apenas uma daquelas coisas da vida portuguesa a que temos de nos habituar e, dependendo da nossa origem, pode não ser assim tão mau.

Para além dos cães que correm para a rua, acho que a condução em Portugal é boa. Prefiro conduzir aqui a conduzir no sul da Califórnia ou ao longo da costa leste dos EUA. Mas a gasolina aqui é ridiculamente cara, provavelmente o dobro ou o triplo do que custa nos EUA (cerca de 2 dólares por litro). – Jerry

Esta situação não é exclusiva de Portugal. De acordo com o Statista, em 2018, houve mais mortes em acidentes rodoviários em 10 outros países europeus, como a Roménia, a Grécia e o Luxemburgo. No entanto, Portugal teve pior desempenho do que países vizinhos como Espanha, França e Itália. E embora as pessoas conduzam frequentemente de forma um pouco agressiva, é definitivamente mais branda do que a fúria rodoviária a que a maioria dos americanos está habituada.

Contra: O Oceano Frio

Muitas pessoas mudam-se para Portugal por causa das praias e ficam surpreendidas com o facto de a água ser muito fria. Sim, pode ser muito fria porque não é o Mar Mediterrâneo: é o Oceano Atlântico. É uma daquelas pequenas desvantagens, mas é algo a ter em conta se estiver a planear passar muito tempo na água. Se for um surfista, a qualidade das ondas pode compensar a temperatura da água.

Outro ponto realmente dececionante é que, apesar de todas aquelas belas praias, é impossível nadar devido ao facto de o oceano estar tão frio. Pensei erradamente que a água seria tão agradável e quente como o mar Mediterrâneo, grande erro. – Júlia

Outro exemplo é o oceano frio. Eu também já sabia disso, mas ainda tinha esperança de encontrar um oceano mais quente no sul. Quando me apercebi que não posso ficar confortavelmente no mar durante mais de 30 minutos em Lagos – uma das zonas mais visitadas do Algarve, no sul de Portugal – mesmo em agosto, desisti do ideal de me limitar ao sul de Portugal. – WL

Este facto é exclusivo de Portugal. Outros países do Sul da Europa, como Espanha, Grécia, Itália e Chipre, estão todos situados no Mar Mediterrâneo e, por isso, têm águas mais quentes.

Contra: Excesso de turismo

Nos últimos anos, o turismo tem-se expandido em Portugal. Lisboa, em particular, tornou-se num dos destinos mais procurados para visitar e atraiu milhões de turistas de todo o mundo. O Porto e o Algarve, da mesma forma, também registaram um enorme aumento do turismo.

Infelizmente, locais como Lisboa e Porto são demasiado pequenos para lidar com o grande volume de turistas que os visitam. As ruas são estreitas e as próprias cidades são bastante compactas e pequenas. Atracções históricas como a Torre de Belém, em Lisboa, ou a Torre dos Clérigos, no Porto, estão muitas vezes cheias e são muito desconfortáveis de visitar.

O turismo também provocou outros problemas no mercado imobiliário local e sobrecarregou os transportes públicos e outros serviços. Infelizmente, não parece que o excesso de turismo vá diminuir tão cedo, especialmente porque a economia portuguesa está tão centrada no turismo – e não parece que vá mudar drasticamente para outra coisa tão cedo.

Há uma quantidade insana de turistas que estão cá porque o Anthony Bourdain delirou com a cidade ou algo do género. Mesmo as cidades mais pequenas, fora de Lisboa, têm os omnipresentes “pontos turísticos do instagram”, por isso é certo que verá todas as pessoas com morte cerebral a tropeçar em autocarros enormes, à espera da sua vez para tirar uma selfie em frente a algumas letras gigantes ou a uma fonte. – Mike

Isto não é completamente exclusivo de Portugal. Muitas outras cidades, como Barcelona e Amesterdão, debatem-se com o excesso de turismo.

Contra: Entregas e alfândegas

Muitas pessoas que se mudam para Portugal vêm de países onde as compras online estão extremamente desenvolvidas, ao ponto de poderem receber as suas encomendas no mesmo dia. Não é esse o caso em Portugal, especialmente porque a maioria das compras online é feita com empresas fora de Portugal. De facto, uma grande percentagem é provavelmente feita na Amazon Espanha.

A dificuldade em receber as coisas, seja uma encomenda de compras online ou uma carta do estrangeiro, é uma queixa constante dos expatriados. No entanto, é algo a que nos habituamos e, tal como muitas das outras coisas nesta lista, é um pequeno preço a pagar pelo que recebemos em troca.

O serviço postal (CTT). É ASTONICAMENTE ineficiente e burocrático. Muitas vezes as coisas simplesmente não são entregues. Os funcionários são excecionalmente pouco prestáveis. – Caio

Está tudo bem, exceto o facto de que quando encomendamos algo de um país estrangeiro demora cerca de 1 a 3 semanas a chegar a Lisboa, mas de Lisboa para os Açores esperamos quase sempre 1 mês a 2 meses!!! – Alberto

Já que estamos a falar de compras, vale a pena mencionar a alfândega portuguesa. Quase todos os países têm um sistema aduaneiro que cobra taxas de importação sobre produtos comprados no estrangeiro. É incómodo, mas razoável. No entanto, em Portugal, as taxas cobradas por tudo o que é importado de fora da UE são tão elevadas que, não raras vezes, as taxas de importação equivalem ao valor do produto comprado (e, por vezes, são mesmo superiores). Mesmo as prendas que são claramente feitas à mão por membros da família são detidas, avaliadas em muito mais do que o seu valor e sujeitas a elevadas taxas de importação.

Mesmo que concorde em pagar estas taxas ou que estas tenham sido pagas antecipadamente, pode levar dias, semanas e até meses para que as suas entregas sejam libertadas pela alfândega portuguesa. Basicamente, tente evitar enviar qualquer coisa de fora da UE (excluindo os seus pertences se tiver um certificado de bagagem, uma vez que estes serão tratados de forma diferente).

Contra: O fumo

Embora o tabagismo esteja a desaparecer em muitos países, ainda é razoavelmente comum fumar em Portugal. Um comentador gosta de

O fumo passivo está presente em todo o lado: transportes públicos, parques, cafés e restaurantes ao ar livre, praias, onde se trabalha e vive, etc. – Carlos

Portugal tem sido mais lento a eliminar gradualmente o fumo em bares e restaurantes do que muitos outros países europeus – embora a maioria dos restaurantes e bares seja para não fumadores, é possível encontrar locais que ainda o permitem em algumas secções – mas as novas leis que entrarão em vigor em 2023 irão provavelmente tornar o fumo ainda menos comum no interior[fonte].

Portugal não é definitivamente o único país europeu onde é comum fumar. O mesmo aconteceem França, Espanha e Alemanha.

Política de comentários: Este artigo atrai uma mistura de comentários: algumas pessoas que acreditam que os prós de viver em Portugal superam os contras e outras que estão frustradas com a vida em Portugal e querem descarregar a sua raiva. Embora sejam permitidos comentários que apontem os aspectos negativos de Portugal, há uma forma diplomática e construtiva de o fazer e há uma forma que é inútil e simplesmente negativa. Os comentários negativos e sem qualquer substância serão removidos.


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *